A hora do reavivamento e reforma

São 7:00h da manhã – hora de reavivamento e reforma. Tem sido esta a proposta para todos os adventistas à volta do mundo: juntarem-se nesta calma e tranquila hora da manhã, num movimento de oração e súplica para que cada um se sinta tocado e movido pelo Espírito do Senhor a preparar a sua vontade para efetuar as necessárias transformações pessoais exigidas pelos fascinantes dias que se avizinham. Como já li, alguns poderão dizer que já vimos este tipo de iniciativa antes, sendo que, provavelmente, não surtiu os resultados que se esperavam. Se assim for, e admito-o perfeitamente, estou certo que a falha não esteve do lado de Deus.

A haver algo que contribuiu para esse insucesso terá sido, seguramente, um menor empenho, um défice na entrega e uma decisão que não passou de um desejo superficial que nunca chegou a concretizar-se numa vivência prática. Mas tendo sido assim no passado, é agora um risco muito pior do que antes olhar para este novo ânimo e dinâmica como algo mais que surge, se inicia com toda a força, e que logo perder ímpeto, como em tantas outras ocasiões. Quero refletir porque razão este é um grave erro. Começo por pensar num aspeto que, embora indiscutível, deixamos que nos passe ao lado como se não fosse realidade: nunca sabemos o dia de amanhã! Não sabemos se daqui a alguns minutos estaremos na plena posse das nossas faculdades mentais e até da nossa vida! Não tomar em tempo útil, que é sempre agora, as decisões pessoais que devemos, é dar demasiada chance ao inimigo de Deus para nos arrastar nesta constante procrastinação que pode resultar em muito mal. Depois, não podemos estar à espera da Igreja.

Se olhamos para a nossa luta diária, o que sucederá se não tivermos comida em casa e esperarmos que os vizinhos façam as suas compras no supermercado para, então sim, decidirmos que também lá devemos ir? Possivelmente, ficaremos sem alimentos em casa e continuaremos à espera que o vizinho se decida… Muito menos devemos olhar para os líderes ou aqueles irmãos a quem reconhecemos uma entrega e uma dedicação exemplar, para revermos coletivamente na igreja aquilo que é o comportamento individual de uns poucos. A verdade é que o coletivo é o reflexo da soma de todos os indivíduos; também é verdade que o indivíduo pode ser influenciado pelo coletivo; mas não menos verdade é que quando o indivíduo só espera pelo coletivo… arrisca-se a que nada mude, ainda que ele pense que sim.

Não há lugar a contemplar o outro e ver onde ele está; muito menos a tentar perceber se a Igreja, como um corpo, está a ser reavivada e reformada, para ir atrás apanhar o barco – pode ser que o barco siga com tanta força que já não consigamos nadar até ele! O que há a fazer é decidir por si! Nisto da obra da salvação, há sim esforço organizado e ordenado entre todos; mas não há decisões em grupo, em massa! Cada um escolhe por si o caminho, as mudanças que deve e quer fazer – e então, ao fazê-las, deixe que, naturalmente, a Igreja beneficie com isso. Ainda mais, que tristeza será, e isso acontecerá mesmo, ter passado tanto tempo no conhecimento da verdade sem se ter deixado transformar por ela! Lembre-se de Pilatos: esteve perante a Verdade, mas não Lhe quis dar ouvidos. Será possível fazer parte da Igreja de Deus na Terra; conhecer as Suas verdades e ensinamentos ao pormenor; experimentar na vida real que Deus anda sempre à procura do homem, mas nunca tomar a definitiva decisão de deixar de lado aquilo que desgraçadamente ainda nos prende a este mundo, cedendo perante o que é terreno em detrimento da recompensa eterna, arriscando um choro e uma lamentação que não poderão ser consolados? Infelizmente sim, é possível.

Por fim, olhe para o mundo e veja como tudo se está a desmoronar rapidamente: natureza, afeições, valores morais, condições sociais, econômicas, etc… Não será tudo isto um gritante aviso?! É por isso que o apelo ao reavivamento e reforma é tão urgente! Necessário é atender já, não deixar por um único momento que dúvidas e implicações mundanas se interponham! Não permitir que este movimento seja apenas mais um que logo passará, mas o decisivo esforço, como sabendo que não haverá outra oportunidade! De uma cosia estou seguro: estamos bem conscientes do grave risco que é negligenciar, mais uma vez, a (re)consagração individual. Então, não espere: se ainda não o fez, decida começar hoje! E deixe que Deus faça de todas as horas da vida, uma hora de reavivamento e reforma.

Filipe Reis é colportor em Portugal

Comments

comments

Powered by Facebook Comments


Copyright © 2011 - Todos os Direitos Reservados | Igreja Adventista do Sétimo Dia | iDSA