Cura pela esperança

A universitária Rose Mendes foi internada às pressas para uma bateria de exames. Dias depois recebeu a terrível notícia de que estava com câncer em estágio terminal e tinha poucos meses de vida. Os tratamentos quimioterápicos foram iniciados na esperança de retardar o avanço da doença. Dias depois, os médicos ficaram surpresos ao constatar que o câncer não só estava contido, mas retrocedia. O médico que acompanhava o caso conta que várias vezes, ao entrar no quarto de Rose, esperava ver uma pessoa arrasada e deprimida. Mas, ao contrário, via uma moça sorridente e esperançosa.
- Qual o segredo de tanta alegria? – perguntava.
- Muitas vezes despertei com medo, no meio da noite – dizia ela. – Mas logo tomava minha Bíblia, lia e conversava com Deus. Isso é o que tem me mantido firme.
O médico ficou impressionado com a determinação da paciente. Mas só quando ela se restabeleceu completamente é que ele se convenceu do poder da fé e da esperança no processo de cura.
Na verdade, esse é um fenômeno que tem chamado a atenção de muitos pesquisadores ao redor do mundo, pois está ficando evidente que a fé capacita a viver mais e melhor. Especialmente nos Estados Unidos diversas pesquisas têm constatado a relação entre fé e cura. Um estudo da Faculdade de Medicina de Dartmouth revelou que a probabilidade de pacientes cardíacos morrerem após a cirurgia era 14 vezes maior entre aqueles que não encontravam conforto na religião. Num prazo de seis meses após a cirurgia, 21 pacientes morreram – mas entre os 37 que se declararam “profundamente religiosos” não ocorreu nenhuma morte.
Evidências científicas - Outra pesquisa – da Universidade de Duke – provou que a religião de fato faz bem à saúde. Os pesquisadores acompanharam um grupo de idosos que vai à igreja uma vez por semana e ora ou lê a Bíblia pelo menos uma vez por dia. A surpresa foi que, entre os fiéis, a incidência de hipertensão é 40% menor do que entre grupos da mesma idade, mas sem a mesma fé.
Na verdade, segundo a Associação Americana para o Progresso da Ciência, atualmente há mais de duas centenas de estudos que apontam a fé como um bom remédio contra todo tipo de doença – desde a insônia até graves problemas cardíacos.
Diante desses dados, muitos pesquisadores, especialmente da área médica, têm repensado sua postura. Dale Matthews é um deles. Pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas para os Cuidados da Saúde, de Rockville, ele catalogou 325 estudos que examinam essa relação e os efeitos das crenças na cura das doenças. E o resultado foi surpreendente. Matthews, que costuma orar com seus pacientes no consultório, concluiu que 75% das pesquisas mostram uma conexão positiva. Ou seja, a fé tem mesmo papel importante na cura.
“Nos últimos cinco anos, as pesquisas sobre esse assunto andaram rápido. Entre outros resultados, constatou-se também que algum tipo de crença aumenta a sobrevida em 89%”, informou a uma revista de circulação nacional o cardiologista Herbert Benson, professor da Faculdade de Medicina de Harvard.
É verdade que aqueles que pautam a vida pelos ensinamentos da Bíblia mantêm um estilo de vida saudável. Em geral, não fumam, não bebem e evitam levar uma vida promíscua e boêmia. E, quando passam por algum problema de saúde, costumam encará-lo de forma mais positiva, “fazendo com que o tratamento ocorra com mais facilidade”, explica o oncologista pediátrico Vicente Odone Filho, do Instituto da Criança, em São Paulo.
Importância da fé – Isso não é tudo. A fé e a disposição positiva que dela advém ajudam a produzir substâncias importantes para o organismo. Embora ainda não se conheçam exatamente quais dessas substâncias são produzidas em maior quantidade a partir dos bons sentimentos, é consenso que a ação desses hormônios resultantes dos estímulos de fé ou posturas positivas ajuda no fortalecimento do organismo.
Muitos, como a melatonina e as catecolaminas, atuam diretamente sobre o sistema imunológico, responsável pelas defesas do corpo, contribuindo para a produção de suas células. “Sabemos que o sistema límbico (conjunto de núcleos cerebrais onde são avaliadas as emoções) também está conectado ao sistema nervoso, vinculado à coordenação de funções como a de controle da pressão sanguínea e de batimentos cardíacos”, afirma Andrew Newberg, pesquisador da Universidade da Pensilvânia.
Tranquilizante natural
Também já se percebeu que as pessoas religiosas – especialmente aquelas que crêem na vida após a morte – são muito menos ansiosas. É fácil compreender por que esse efeito da fé também é bom para o corpo. A ansiedade é um sentimento que, depois de processado pelo cérebro, provoca descargas de adrenalina no organismo. Esse hormônio acelera os batimentos cardíacos e eleva a pressão arterial. A exposição crônica a esse hormônio contribui para o surgimento ou agravamento de doenças cardiovasculares e gastrointestinais. Além disso, a ansiedade enfraquece as defesas do organismo.
O Dr. Herbert Benson promoveu uma nova compreensão da fisiologia envolvida nessa fé capaz de curar. Ele observou que de 60% a 90% das consultas médicas envolvem doenças relacionadas com o estresse – incluindo hipertensão, infertilidade, insônia e problemas cardiovasculares. O Dr. Benson, porém, demonstrou que o estado de relaxamento provocado pela oração e meditação reduz o impacto dos hormônios do estresse, tais como a noradrenalina e a adrenalina. Portanto, acreditar em algo mais do que a vida terrestre ajuda a ser feliz e, consequentemente, encarar problemas, inclusive doenças, com otimismo.
A verdadeira religião, que brota do coração e se submete à vontade de Deus, provê a serenidade e o equilíbrio necessários a uma vida de paz e alegria. Como bem disse Maíza Netz, cantora cristã: “Antes de conhecer a Cristo, eu levava uma vida triste com poucos momentos de alegria; hoje vivo uma vida feliz com poucos momentos de tristeza.”
A religião amplia os horizontes e dá a certeza de que não precisamos enfrentar sozinhos as lutas. Dom Cláudio Hummes, em sua coluna no jornal O Estado de S. Paulo do dia 1º de dezembro de 1999, disse que “a modernidade fracassou na medida em que excluiu a transcendência divina e quis endeusar o homem, a quem, na verdade, tirou todo horizonte para se superar e sair da prisão egocêntrica. A fé cristã, ao invés, aponta uma esperança real”. E a esperança nascida da fé continua e continuará sendo um santo remédio.
Benefícios da religião
Certeza de não viver sozinhos e poder contar com o poder infinito de Deus;
Senso de pertencer a uma família/comunidade;
Libertação do sentimento estressante de culpa, através da
confissão e do perdão;
Consciência da origem e destino humanos, bem como de nosso lugar no Universo;
Serenidade, equilíbrio moral e felicidade;
Reforço da auto-estima, por saber que fomos criados por Deus e à Sua imagem;
A adoração e o serviço pelos outros nos levam para além de nós mesmos e nos dão senso de utilidade.

Michelson Borges é jornalista

Artigo originalmente publicado em http://www.outraleitura.com.br/web/artigo.php?artigo=209:Cura_pela_esperanca

Comments

comments

Powered by Facebook Comments


Copyright © 2011 - Todos os Direitos Reservados | Igreja Adventista do Sétimo Dia | iDSA