Jesus: Nossa Esperança Viva

Quaisquer que sejam os reveses, podemos olhar para eles além de nós mesmo.E do modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo o que nele crê tenha a vida eterna. Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:14-16).

Quando os filhos de Israel estavam atravessando o deserto, rumo a Canaã, trouxeram sobre si os juízos de Deus ao murmurarem e reclamarem. Eles foram mordidos por serpentes ardentes e venenosas do deserto e foram atingidos pela morte. Um mensageiro passou pelo acampamento com a notícia de que um remédio fora provido. Pela orientação de Cristo, foi erguida uma serpente de bronze e aqueles que olhassem para ela seriam curados.

Quando essa mensagem foi anunciada, alguns dos enfermos e moribundos não a aceitaram Aqui e ali no acampamento se ouviam as palavras: “É impossível para mim ser curado porque estou em terrível condição. Aqueles que estão em melhor estado que o meu, talvez, podem olhar e viver. Outros criam ter seu próprio remédio para curá-los da picada venenosa da serpente; mas apenas aqueles que aceitaram a mensagem e olharam para a serpente de bronze foram curados. Essa serpente representava Cristo.

O homem está envenenado pelo pecado; mas foi provido um remédio para a raça caída no Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Toda esperança que temos da salvação fora de Cristo é esperança vã. Não podemos desonrar mais nosso Salvador do que duvidando de que Ele nos salvará. Qualquer que tenha sido nossa vida de transgressão, o quanto fomos manchados por nosso pecado, há Um que é capaz de salvar o pior pecador que vêm a Deus por meio dEle.

Jesus é o remédio para o pecado. Podemos ter intelecto, mas a inteligência humana não consegue divisar um meio para a salvação; podemos ter posses na terra, mas isso não proverá o resgate de nossa alma pecaminosa. A salvação é a dádiva de Deus por meio de Cristo e a promessa é: “Quem nEle crer não perecerá, mas terá a vida eterna”.

Não Basta a Fé Nominal

Não é suficiente ter uma fé nominal. Devemos ter fé que se aproprie do poder doador da vida para nossa alma. Sofremos grande perda porque não exercitamos a fé simples e viva em Cristo. Deveríamos poder dizer: “Ele é meu Salvador. Ele morreu por mim. NEle tenho meu Salvador e vida”. Devemos olhar para Cristo, a cada dia. Devemos considerá-Lo como exemplo em tudo. Isso é fé.

Honramos nosso Senhor e Mestre quando depositamos implícita confiança nEle. Se duvidarmos da mensagem que nos enviou, estaremos em posição semelhante à dos israelitas que foram picados pelas serpentes ardentes, e que não olharam e morreram. Se aceitamos a mensagem de amor vinda a nós por convites, exortações e reprovações provaremos a vida e a cura para nossa alma.

Não nos deveríamos satisfazer com nada menos que a íntima ligação com Cristo. A liberdade e a salvação nos são oferecidas e deveríamos nos apegar às preciosas promessas de Deus de vivermos pela fé. Porém, se cremos apenas parcialmente, se não mostramos em nossa experiência o poder de viver pela fé que opera pelo amor e purifica a alma, não cumpriremos a expectativa de nosso Senhor e Mestre. Jesus diz: “Sem mim nada podeis fazer”, mas se Ele habita em nós e nós nEle, podemos fazer todas as coisas mediante Seu poder. Devemos confiar nEle como a criança confia nos pais terreais. Deveríamos sentir tanto amor para com Ele que nos seria impossível trair Sua confiança em nós, ou entristecê-Lo sob quaisquer circunstâncias. Devemos ter o conhecimento da verdade como se encontra em Jesus.

Deveríamos ser como a mulher aflita que forçou sua passagem pela multidão para tocar a orla do manto de Cristo. Seu toque não foi casual; foi o toque da fé, visto que virtude saiu de Cristo e a curou. Embora a multidão estivesse pressionando e se aglomerando em torno do Salvador, Ele reconheceu o toque da fé. Virou-Se e perguntou: “Quem Me tocou?”

“Mas Jesus disse: Quem me tocou? Como todos negassem, Pedro com seus companheiros disse: Mestre, as multidões te apertam e te oprimem e dizes: Quem me tocou? Contudo, Jesus insistiu: Alguém me tocou, porque senti que de mim saiu poder. Vendo a mulher que não podia ocultar-se, aproximou-se trêmula e, prostrando-se diante dele, declarou, à vista de todo o povo, a causa por que lhe havia tocado e como imediatamente fora curada. Então, lhe disse: Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz.” (Lucas 8:45-48)[1]

Jesus Trouxe Esperança aos Desesperançados

Houve ocasiões quando Cristo disse aos que estavam a Seu serviço e cujas energias se exauriram: “Vinde repousar um pouco, à parte, num lugar deserto.” (Marcos 6:31) Temos o registro de uma ocasião, depois de um dia de trabalho incessante, quando nosso Redentor descansou, tendo um rolo de corda como travesseiro, dormiu imediatamente no barco dos pescadores. Sua exausta natureza humana clamava por descanso e sono.

Vejam o Salvador! As necessidades eram prementes e o levaram a buscar alívio! Ensinar no templo, curar, explicar as Escrituras nas ruas, na beira do caminho para Seu lugar de retiro, os assuntos urgentes não Lhe permitiam tempo para repousar. Suas simpatias eram atraídas para os oprimidos, Ele confortava os enlutados, trazia esperança aos desesperançados, curava as feridas e os machucados criados pelo pecado. Ele seguia fazendo o bem.[2]

O cristão não deve viver para esta vida. Devemos olhar para Jesus que, na morte ignominiosa, abriu caminho para nossa fuga. Devemos nos apegar à esperança que foi posta diante de nós no evangelho, para termos a vida eterna. Você deve se perguntar: “Quanto estou disposto a me sacrificar em favor da verdade?” Antes de responder a essa pergunta, encaminho-o para a vida e para o sacrifício de Jesus por você. Ao vê-Lo, a quem seus pecados feriram, erguido na cruz do Calvário, você, em contrição de alma, se lançará a Seus pés. Quando lembramos quanto nossa salvação custou, podemos estar certos de que a vida eterna é digna de tudo.

Satanás virá de muitas formas para tentar a alma a se afastar de Cristo. Primeiro Ele lhe irá dizer que você é suficientemente bom; que você não necessita da reforma feita. Irá sugerir que se você cometeu alguns erros em sua vida, estes serão contrabalançados pelo bem que você fez. Se você viveu a vida que ele o leva a crer que viveu, será como uma corrente com elos quebradiços, totalmente sem valor. Um pecado para o qual não houve arrependimento é suficiente para fechar os portões do céu para você. Foi porque o homem não pôde salvar a si mesmo com a mancha do pecado sobre si, que Jesus veio morrer na cruz do Calvário. Sua única esperança está em olhar para Cristo e viver. Ele veio para salvar o pior pecador que O procurar; Ele é plenamente capaz de fazer tudo o que empreendeu por você. Ele nos tirará da degradação na qual caímos devido ao pecado.[3]

Jesus, Nosso Mediador

“Ao vos aproximardes da cruz do Calvário, vereis um amor sem paralelo. Ao, pela fé, aprenderdes o significado do sacrifício, ver-vos-eis como pecador, condenado por uma lei quebrantada. Isto é arrependimento. Ao vos chegardes, coração humilde, encontrareis perdão, pois Cristo Jesus é representado como estando continuamente junto ao altar, oferecendo a cada momento o sacrifício pelos pecados do mundo. É Ele ministro do verdadeiro tabernáculo, do qual o Senhor é construtor, e não o homem. As prefigurações simbólicas do tabernáculo judeu não mais possuem qualquer virtude.

“Não mais tem que ser feita a diária e anual expiação simbólica, mas o sacrifício expiatório por meio de um mediador é necessário, por causa do constante cometimento de pecado. Jesus está oficiando na presença de Deus, oferecendo Seu sangue derramado, como de um cordeiro morto. Jesus apresenta a oblação oferecida por toda ofensa e toda fraqueza do pecador.

“Cristo, nosso Mediador, e o Espírito Santo estão constantemente intercedendo em favor do homem, mas o Espírito não pleiteia por nós como faz Cristo, que apresenta Seu sangue, derramado desde a fundação do mundo; o Espírito opera em nosso coração, extraindo dele orações e penitência, louvor e ações de graças. A gratidão que dimana de nossos lábios é resultado de tocar o Espírito as cordas da alma em santas memórias, despertando a música do coração.

“Os cultos, as orações, o louvor, a penitente confissão do pecado, sobem dos crentes fiéis, qual incenso ao santuário celestial, mas passando através dos corruptos canais da humanidade, ficam tão maculados que, a menos que sejam purificados por sangue, jamais podem ser de valor perante Deus. Não ascendem em imaculada pureza, e a menos que o Intercessor, que está à mão direita de Deus, apresente e purifique tudo por Sua justiça, não será aceitável a Deus. ‘Todo o incenso dos tabernáculos terrestres têm de umedecer-se com as purificadoras gotas do sangue de Cristo. Ele segura perante o Pai o incensário de Seus próprios méritos, nos quais não há mancha de corrupção terrestre. Nesse incensário reúne Ele as orações, o louvor e as confissões de Seu povo, juntando-lhes Sua própria justiça imaculada. Então, perfumado com os méritos da propiciação de Cristo, o incenso ascende perante Deus completa e inteiramente aceitável. Voltam então graciosas respostas.”[4]

Satanás tenta se interpor entre nós e Cristo, mas devemos rechaçá-lo ao falarmos da fé, ao exaltarmos o poder de Jesus para nos salvar. Não iremos avançar sem demora? Não iremos demonstrar que não temos medo e que confiamos em nosso Salvador, nas trevas ou na luz?

Esperança na Breve Vinda de Cristo

Jesus o ama e, quando as provas vierem sobre sua alma, e certamente elas virão, você deve sempre ser encontrado com Deus em oração. O inimigo lhe pode dizer que Deus não irá ouvi-lo, mas você deve descansar em Sua promessa de que Ele ouvirá a oração da alma contrita. Mantenha continuamente suas petições ascendendo a Jesus e creia que Ele o ouve e que irá livrá-lo de toda provação e tentação. O apóstolo diz: “Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo [...]”[5]

A vinda do Senhor tem sido em todos os séculos a esperança de Seus verdadeiros seguidores. A última promessa do Salvador no Monte das Oliveiras, de que Ele viria outra vez, iluminou o futuro a Seus discípulos, encheu-lhes o coração de alegria e esperança que as tristezas não poderiam apagar nem as provações empanar. Em meio de sofrimento e perseguição, ‘o aparecimento do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo’ foi a ‘bem-aventurada esperança’.

“Na rochosa ilha de Patmos o discípulo amado ouve a promessa: ‘Certamente cedo venho’, e em sua anelante resposta sintetiza a prece da igreja em toda a sua peregrinação: ‘Amém. Ora vem, Senhor Jesus.’” Apoc. 22:20.”[6]

Perguntas para Meditação ou Discussão

1. A autora diz: “Toda esperança que temos da salvação fora de Cristo é esperança vã.” Como você vê a importância dessa declaração para a igreja, em geral, e para você pessoalmente?

2. Qual é a mensagem desta leitura para (a) aqueles que se sentem justos e autossuficientes, e (b) para os que têm um sentimento crônico de desvalor? Qual é a atitude saudável a se ter?

3. Como a mensagem da Segunda Vinda afeta sua vida como cristão? Quão pessoal é esse evento para você?

____________

Ellen G. White foi uma das pioneiras da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Sua obra segue sendo a voz profética entre os adventistas.


[1] Signs of the Times, 10 de março de 1890.

[2] Manuscript Releases, vol. 10, p. 349, 350.

[3] Signs of the Times, 17 de março de 1890.

[4] Mensagens Escolhidas, Vol. 1, p. 343, 344.

[5] Atos dos Apóstolos, p. 518.

[6] O Grande Conflito, p. 302.

Comments

comments

Powered by Facebook Comments


Copyright © 2011 - Todos os Direitos Reservados | Igreja Adventista do Sétimo Dia | iDSA